Em São Paulo, reitor do IEMA participa de Fórum Social da Baixada Santista e realiza visita técnica em busca de parcerias

11 de novembro de 2019

SÃO PAULO (1)O modelo pedagógico do Iema – Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – marcado pelo protagonismo juvenil, foi um dos assuntos abordados pelo reitor do Instituto, Jhonatan Almada, ao participar de mesa de debate do II Fórum Social da Baixada Santista, na sexta-feira, 8 de novembro. A mesa, que abordou o tema “Protagonismo juvenil e as políticas públicas para a juventude” aconteceu no auditório da Universidade Católica de Santos, campus Dom Idílio, no estado de São Paulo. Além da presença do reitor, conduziram a discussão as professoras Maria Izabel Calil Stamoto, coordenadora do mestrado em Psicologia, Desenvolvimento e Políticas Públicas da Unisantos, Ivanise Monfredini, do conselho municipal de Educação, e Edmir Nascimento, vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Um a um, todos discorreram sobre suas experiências com jovens e adolescentes pontuando a importância do protagonismo juvenil e destacando que essa é uma proposta muito importante, mas que não é um desafio fácil. Jhonatan Almada falou da implantação do Iema pelo governador Flávio Dino e do protagonismo dos alunos do Instituto que transforma a escola em vitrine para todo o País. “Foi uma honra participar do Fórum nessa mesa de debate sobre o protagonismo juvenil e as políticas públicas para a juventude e poder apresentar a experiência do IEMA”, disse o reitor.

Maria Izabel Calil Stamoto lembrou que a ideia da mesa era discutir o protagonismo do jovem e trazer para um âmbito mais amplo inclusive das diferentes culturas. Na opinião da professora, para fazer protagonismos, os professores precisam passar por uma revisão de concepções e muitas vezes entender que os jovens são jovens, o que nem sempre é verdade em relação ao professor. “Abrir o espaço de verdade não é fácil, porque eles perguntam, contestam, tomam a escola, se manifestam… Quem educa na perspectiva do protagonismo tem de saber que tudo isso pode acontecer.”

Izabel Calil afirmou que abrir para o jovem é resgatar a educação e que educação não é formar só para produzir, mas educar sujeitos para serem donos de suas histórias. “Experiências como essas do IEMA nos ajudam, nos iluminam”, concluiu.

Após responder a várias perguntas sobre o IEMA, o reitor Jhonatan Almada finalizou sua participação com o lançamento do livro “Guarnicendo uma nova geração: o protagonismo juvenil no IEMA”. A obra está disponível na página oficial do IEMA no endereço http://www.iema.ma.gov.br/wp-content/uploads/2019/11/Guarnicendo-uma-nova-gera%C3%A7%C3%A3o_ebook_completo.pdf.

AGENDA

Além de participar do II Fórum Social da Baixada Santista, o reitor do IEMA – Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão –, Jhonatan Almada, esteve no estado de São Paulo, entre os dias 7 e 8 deste mês, e realizou visitas técnicas para buscar parcerias e fortalecer as ações do Instituto. Inicialmente visitou o Colégio Soka do Brasil, onde dialogou com os alunos. O Soka é o único da América do Sul que segue uma filosofia e cultura de paz com valores similares ao do IEMA, e também é uma escola associada da Unesco.

Ana Caroline, 18 anos, aluna do Soka, que participou do momento dos estudantes com o reitor, gostou da fala de Almada porque ele conseguiu mostrar e demonstrar, segundo a opinião da estudante, como a educação é capaz de transformar a vida de um indivíduo. “A educação realizada em locais mais remotos, não apenas nas capitais, é capaz de transformar a vida das pessoas. A fala dele me emocionou.”

Diretor do Colégio Soka, James Yamauti, afirma que ‘é impressionante saber que tem pessoas que trabalham e se dedicam em prol da dignidade de uma educação humanista’. “Temos muitas coisas em comum, inclusive o fato de termos sido certificados no mesmo ano como escolas associadas à Unesco e também diversos pontos de atuação. Essa rede de educação não deve estar restrita a aqui ou ali, mas é justamente a questão de uma educação global, voltada para o bem do próximo.”

“Dialoguei com os estudantes do Colégio Soka em São Paulo e respondi sobre o modelo educacional do Iema, nossos princípios humanistas e como as duas escolas poderão se unir em aliança permanente, como registrei no Livro de Visitas”, publicou o reitor em suas redes sociais.

Com o objetivo de fechar uma parceria para beneficiar a unidade Gonçalves Dias do IEMA, Almada visitou a Escola Municipal de Educação Profissional e Saúde Pública Professor Makiguti. Na avaliação da diretora da escola, Valdirene Tizzano da Silva, a visita do reitor é honrosa porque é muito importante a troca de experiência. Para ela, o que foi narrado, apesar da distância, na realidade é muito próximo. “Quando ele fala de cursos técnicos na área de saúde, não tem como não vislumbrar uma nova Makiguti dentro do Maranhão. Qualquer parceria será muito bem-vinda”, afirmou Valdirene.

“Estivemos também no CENPEC – Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária – que é responsável pelo Prêmio Itaú Unicef, que reconhece as experiências de educação integral pelo prêmio ‘Repostas para o amanhã’ e também a olimpíada de língua portuguesa. Aí fomos dialogar sobre um projeto de formação de professores para o IEMA”, revela o reitor.