Estudantes das unidades vocacionais do Iema iniciam estágio

15 de maio de 2017

Desenvolvidas para promover a formação profissional e técnica de jovens e adultos, articulada com as demandas dos setores produtivos e regionais, as unidades vocacionais do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) visam atender às demandas existentes de formação profissional, tendo em vista sua inserção produtiva na perspectiva de melhorar os indicadores econômicos e sociais do estado. As unidades objetivam contribuir com o acesso de diversos maranhenses ao mercado de trabalho mediante uma formação profissional técnica. Esse objetivo está se tornando realidade na vida de vários jovens que, após concluir 75% de seu curso, estão realizando o tão sonhado contato prático com a área desejada.

“Estamos cada vez mais satisfeitos com os resultados desse trabalho realizado pelo Iema nas unidades vocacionais. Tudo isso aponta que estamos no caminho certo”, comenta o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada.

O estágio é de caráter obrigatório e complementar para fazer com que o aluno tenha vivência na área. A iniciativa envolve diversos parceiros, sendo o curso de Produção Cultural executado na unidade vocacional da Praia Grande, onde os alunos estão atuando na Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur); em parceria com a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), os alunos de Logística Portuária, curso realizado no Estaleiro-Escola, estão adquirindo seu primeiro contato com a área de estudo. Em Carolina, os alunos do curso de Guia de Turismo realizam seu estágio na Secretaria Municipal de Turismo e empresas privadas.

O secretário-adjunto de Educação Profissional, Tecnológica e Inclusão Social da Secti, André Bello, ressaltou que todos os cursos ofertados nas unidades do Iema são direcionados às vocações dos municípios visando sua inserção no mercado de trabalho. “O estágio é um instrumento educacional estratégico para formar bons profissionais, indispensável para completar o processo de formação e inserção profissional dos nossos estudantes no mundo do trabalho. É um momento de alta relevância em que conseguimos estabelecer com maior profundidade o diálogo entre a formação e o mundo do trabalho. Outra vertente da capacitação é que os alunos podem usar suas formações para aumentar sua própria renda. Assim, quando terminarem os cursos, já estarão capacitados para fazer alguma atividade econômica nessa linha, esse é um dos focos dessa iniciativa, a geração de renda. O contato com a área de estudo é primordial para o crescimento”, disse.