História de Estudante: Francisco Victor

16 de junho de 2021

Eu não sei vocês, mas eu adoro uma história de estudante. Hoje, o dono da narrativa é o Francisco Victor Barros Sousa, ex-estudante da UP BREJO. Ali ele conheceu as aulas de  Robótica e se interessou por programação e eletrônica. Foi medalhista na Olimpíada Brasileira de Robótica. Em 2019, por meio do projeto “Desafio Criativo” participou da SBPC. Atualmente, o Francisco Victor cursa Agronomia na UFMA, no campus de Chapadinha. Podemos dizer que se trata de um currículo invejável.

Francisco Victor, 18 anos

O IEMA não me deu só uma boa formação acadêmica, me tornou um bom cidadão

O IEMA não me deu só uma boa formação acadêmica, me tornou um bom cidadão

Meu nome é Francisco Victor Barros Sousa, tenho 18 anos, sou do município de Brejo, vim contar um pouco da minha história. Moro com minha mãe Maria de Jesus, meu pai Luiz Roberto e minha irmã Vivian. A minha família é um dos principais pilares para pensar meu projeto de vida, é nela onde encontro motivação para sempre continuar seguindo em frente. Desde criança sou fascinado em aprender, passava horas imaginando como as coisas funcionam, sempre fui um estudante muito participativo desde os meus primeiros anos na escola e nunca tive dificuldade pra me integrar em grupos, de falar em público e nem de criar novas amizades.

Minhas matérias preferidas são Matemática, Física e Biologia. Me dedico para memorizar todo o conteúdo que meus professores compartilham pois meus pais me ensinaram que o conhecimento é a única coisa que não pode ser tirada de mim e que isso me ajudaria a ser uma pessoa cada vez melhor, mas com o passar dos anos meu rendimento foi diminuindo e não me interessava mais pelos estudos como antes até terminar o 9º ano.

Quando terminei o Ensino Fundamental minha mãe soube que teria uma Unidade Plena do IEMA na minha cidade, então me inscreveu para o seletivo. A notícia dessa nova escola fez surgir muitas dúvidas entre os pais, sendo que alguns tiveram receio de inscrever seus filhos, mas minha mãe acreditava que estudar no IEMA proporcionaria muitas oportunidades para mim. A metodologia e o sistema de ensino são muito diferentes das escolas que eu havia frequentado, logo, seria um novo período de descobertas. Demorou um pouco para o início das aulas, quando comecei a frequentar a escola fiquei maravilhado com a estrutura e as metodologias adotadas, como acolhimento, estudo orientado, os clubes de protagonismo, as eletivas, dentre os cursos técnicos, eu escolhi fazer agricultura. Durante esse período tive que me adaptar aos horários, acordar bem cedo e voltar para casa no final do dia. Resumindo, foi uma caminhada longa para todos, mas a gestão sempre tentava motivar os alunos a continuarem estudando.

WhatsApp Image 2021-06-16 at 09.58.33

 

Com o tempo, me acostumei com o novo modelo escolar e logo me identifiquei com a Robótica, momento em que tive meu primeiro contato com programação e eletrônica. De início pensei em desistir, no entanto, o professor Fábio Sousa visualizou meu potencial, me ajudou a evoluir e me incentivou a participar de projetos. No primeiro ano participei da Olimpíada Brasileira de Robótica, consegui minha primeira medalha, já no segundo ano iniciei um projeto que hoje é chamado “Desafio Criativo” por meio do qual pude participar da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), em 2019. Foi uma das melhores experiências que já vivenciei. Recentemente, fui premiado na Mostra Nacional de Robótica, além de premiações no Torneio Juvenil de Robótica 2019. Sou muito grato ao professor Fábio, pois ele não me deixou desistir no começo e me ajudou a descobrir meu potencial, por isso devo muito a ele.

WhatsApp Image 2021-06-16 at 06.31.20

A robótica trouxe muitos prêmios

Infelizmente, no meu último ano ocorreu a pandemia e não pude aproveitar mais da escola. Durante esses três anos fiz muitas amizades que me fortaleceram, pude aprender bastante com cada um, principalmente, com meus colegas de classe. Hoje todos trilham seus próprios caminhos. Agora iniciamos uma nova fase com novas expectativas e vivências sempre com aquela mesma insegurança, mas agora me sinto mais preparado para enfrentar as coisas novas que estão por vir. O IEMA não me deu só uma boa formação acadêmica, me tornou um bom cidadão. Agradeço muito pelas oportunidades e por ter marcado minha trajetória, hoje curso Agronomia na UFMA, no campus de Chapadinha, tenho alguns receios e medos, mas continuo com a coragem de antes para trilhar esse caminho, quero muito continuar sendo orgulho dos meus pais e a única coisa que posso dar em troca é meu imenso amor e todo agradecimento por todo o suporte que me deram até aqui.

Para todos aqueles que estão começando a própria jornada no IEMA ou estão com dificuldades, desejo força e garra, corram atrás de seus sonhos por mais que apareçam dificuldades ao longo do caminho, não desistam, pois um homem morre quando deixa de sonhar, ainda tenho muitos sonhos a realizar quero ajudar as pessoas e deixar uma marca positiva nesse mundo.