IEMA comemora 5 anos de atividades com 40 mil pessoas qualificadas nas unidades plenas e vocacionais

24 de julho de 2020

Criado em 2 de janeiro de 2015, o Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) comemora, em 2020, seu 5º ano de implantação e chega à marca de quatro mil estudantes qualificados na modalidade ensino médio técnico em tempo integral ofertado nas 16 unidades plenas e mais de 35 mil jovens e adultos, de diversas regiões do estado, capacitados nos cursos de Formação Inicial e Continuada (FICs), oferecidos pelas unidades vocacionais do instituto.

Um dos casos de sucesso das unidades plenas do IEMA é a história do estudante Miguel Neto, ex-aluno da Unidade Plena (UP) de Pindaré-Mirim. Ele fez parte da seleção de robótica do IEMA e, em três anos, conquistou 12 prêmios, além de ter viajado para três países para participar de competições de robótica.

Hoje, Miguel Neto é estudante de Engenharia Mecatrônica e compõe a equipe de professores de Robótica no Centro Universitário (ENIAC), em São Paulo. “Fico muito grato por ter concluído meus estudos no IEMA. Afinal, foram três anos de muitas batalhas, lutas, mas também de muitas vitórias. Estou honrado pelas conquistas, pois é sinal que todo o esforço valeu a pena”, afirmou o estudante.

Sarah Andrade, irmã do estudante Miguel Neto, ressaltou que as conquistas do irmão, dentro do instituto, têm um grande significado. “É até difícil definir com palavras a minha gratidão ao IEMA pela educação do meu irmão. Ele sempre teve curiosidade e buscou aprender coisas relacionadas com a eletrônica. Quando o IEMA surgiu na nossa cidade foi uma oportunidade maravilhosa, que foi abraçada não só por ele, mas por toda a família. Vimos que um menino que antes bagunçava nossos carregadores começou a montar robôs. Acompanhamos a entrada de uma criança na unidade, vimos um homem saindo dela e realizando seus sonhos”.

Robótica

Preocupado em formar jovens engajados nos diversos campos de conhecimento, o instituto vem se destacando, nacionalmente, pela robótica educacional, reunindo investimentos em torno de R$ 500.000,00, contemplando laboratórios, kits de robótica, Espaços Makers, FabLab e viagens para competições nacionais e internacionais.

A robótica teve início em uma eletiva, coordenada pelo professor Fábio Costa, que teve seu projeto de robótica aprovado junto ao Edital Geração Ciência, da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), em 2016, o que garantiu, não somente a iniciação científica dos estudantes da UP de Pindaré-Mirim, mas também permitiu a aquisição de periféricos importantes para subsidiar e expandir os trabalhos na área da robótica nessa UP, bem como a apresentação dos primeiros resultados na 13ª Semana de Ciência e Tecnologia, realizada em Imperatriz.

“Começamos com 20 alunos na unidade de Pindaré e, em seguida, fui para uma formação em Natal, no Rio Grande do Norte. Para iniciar o projeto, fizemos uma rifa para comprar os equipamentos. Depois ganhamos kits do Governo do Estado, e a robótica passou para disciplina eletiva, ganhamos prêmios e hoje a robótica educacional é conteúdo obrigatório em nosso currículo. Virou uma marca do IEMA”, afirmou Fábio Costa, coordenador de Robótica do IEMA.

O ano de 2019 marcou a consolidação e reconhecimento mundial da Robótica desenvolvida no IEMA, através de convite para a representação da FIRA RoboWorldCup. No mesmo ano, o instituto angariou troféus de 1º, 2º e 3º lugares na Etapa Estadual do Torneio Juvenil de Robótica (TJR), além de medalhas de ouro, prata e bronze na Etapa Estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). Ao todo, com a consolidação e sucesso na robótica, o IEMA conquistou 20 premiações gerais em competições estaduais, regionais, nacionais e internacionais.

Conquistas

Desde sua criação, o IEMA tem percorrido uma trajetória rumo à consciência global, ao incentivar atitudes focadas no desenvolvimento sustentável. Por isso, em 2018, o instituto foi certificado como a única escola pública do Maranhão a ser associada à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Em 2019, a instituição foi citada como referência na aplicação de iniciativas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Para o diretor de Ensino e Pesquisa do IEMA, Elinaldo Silva, pertencer ao grupo de escolas associadas à UNESCO significa reconhecimento internacional ao trabalho do IEMA. “Nos cinco anos do instituto, já tivemos várias conquistas nacionais e internacionais, dentre as vitórias, nós temos a nossa aceitação como escola associada da UNESCO. É uma conquista muito importante, pois, hoje, fazemos parte de uma grande rede de mais de cinco mil escolas no mundo inteiro”, ressaltou. Ele pontua que a validação representa que o IEMA compartilha dos princípios educacionais recomendados pela organização. “São elementos que compõem nosso modelo pedagógico e de gestão, tais como a sustentabilidade, cidadania global e valores democráticos”, completou.

IEMA no mundo

Durante cinco anos, o instituto também foi ponte para outros países por meio do programa “IEMA no Mundo” que, em quatro edições, contemplou 36 estudantes com um semestre de High School em cinco países: Canadá, Argentina, Estados Unidos, Alemanha e Dinamarca.

Para o estudante Guilherme Cardoso, que fez intercâmbio no Canadá, a oportunidade foi a realização de um sonho. “Batalhei a vida toda para ter essa chance, mas sempre me pareceu bem distante, quase impossível, devido à minha realidade. Quando conheci o IEMA e vi que teria essa oportunidade, tive foco, determinação e consegui. Sou muito grato”, destacou o estudante, acrescentando que o intercâmbio não foi só uma experiência linguística.

“Essa oportunidade me fez crescer em vários fatores, como visão de mundo, conhecimento, cultura, perseverança, maturidade, entre outros. Sempre serei grato ao Governo do Estado e a todos os envolvidos que me ajudaram a chegar lá, e espero retribuir da forma correta o investimento feito em mim e na educação da minha geração”, enfatizou o estudante.

De acordo com Nycole Costa, que fez intercâmbio na Argentina, a experiência foi transformadora em sua vida. “Este semestre foi incrível. Além de aprender um novo idioma, aprendi coisas que eu pensei que não seria capaz. Descobri talentos novos e me transformei como pessoa. Me tornei uma pessoa mais responsável, menos tímida e com novos valores. Fui acolhida em uma família anfitriã maravilhosa. Foi a melhor experiência da minha vida”, contou.

Qualificação profissional por meio das Unidades Vocacionais

O IEMA chega ao seu quinto ano de atuação com mais de 35 mil jovens e adultos qualificados nos cursos de Formação Inicial e Continuada (FICs) ofertados nas unidades vocacionais de Açailândia, Barra do Corda, Bequimão, Carolina, Caxias, Codó, Coroatá, Imperatriz, Loreto, Palmeirândia, Pedreiras, Pinheiro, Ribeirãozinho, São Bento, São Mateus e São Luís – unidades Escola de Cinema, Estaleiro Escola, Praia Grande e Rio Anil. Os cursos também são ofertados em municípios parceiros, através do ‘Plano Mais IDH’, e em comunidades da capital maranhense, por meio do programa “IEMA nas Comunidades”.

Segundo a coordenadora das unidades vocacionais, Josélia Castro, os números e casos de sucesso representam a consolidação dessa política educacional no Maranhão. “Os dados são bastante expressivos, pois temos, hoje, 20 unidades e já qualificamos mais de 35 mil pessoas em mais de 100 municípios. São mais de 300 cursos ofertados nos mais diversos eixos tecnológicos. Além de formar adolescentes, jovens e adultos, os cursos têm possibilitado a inserção de muitas pessoas no mercado de trabalho”, afirmou.

Em Timon, ex-alunas do curso de Corte e Costura, que acontece em parceria com a Prefeitura, além da inserção no mercado de trabalho mediante a qualificação profissional oferecida pelo instituto, também fundaram uma cooperativa para alinhar parcerias com empresas privadas e o município.

A presidente da Associação dos Moradores do Parque Alvorada em Timon, Maria da Luz, contou que o IEMA abriu novas perspectivas para a comunidade carente. “Tudo começou através dos cursos do instituto que, em parceria com a Associação dos Moradores, iniciou com três turmas de Corte e Costura, cada uma com 35 alunas. Hoje, algumas delas já estão no mercado de trabalho e outras gerando sua própria renda”, destacou.

Segundo Maria da Luz, a cooperativa representa um outro viés para auxiliar as costureiras a realizarem seus projetos de vida. “Nos reunimos e tivemos a ideia de montar a cooperativa das costureiras do Parque Alvorada. Na Associação dos Moradores temos parceria com as empresas da cidade, estamos capacitando os alunos e eles estão entrando no mercado de trabalho. Percebo que eles são muito gratos e felizes, pois são pessoas que necessitam. Temos muita gratidão ao IEMA”, contou.

A ex-aluna da unidade vocacional de Imperatriz, Joselene Marinho, realizou no instituto os cursos de paisagismo, horticultura, produção agroecológica, viveirista e jardinagem. Joselene destacou que se encontrou como profissional através das formações do IEMA. “Com os cursos, eu descobri o que realmente queria para minha vida. Hoje eu produzo mudas e vendo, além de elaborar consultorias e projetos de paisagismos para meus clientes”, declarou a aluna.

Joselene ressaltou, ainda que o IEMA foi fundamental para a abertura do seu próprio negócio. “É uma área que eu gosto, me identifico e hoje sou capacitada para atuar. Sou proprietária de um viveiro, onde produzo mudas e faço as minhas vendas. Alcançar meu empreendimento é fruto da dedicação e resultado dos conhecimentos assimilados durante os cursos realizados no instituto. O IEMA mudou a minha vida”, concluiu.

Importante aliada dos maranhenses, oferecendo novas oportunidades de qualificação profissional durante a situação da pandemia do novo coronavírus, a Plataforma Maranhão Profissionalizado completou seu terceiro mês no ar ultrapassando a marca de 20 mil inscritos. A ferramenta oportuniza a jovens e adultos geração de renda, oferecendo cursos de aperfeiçoamento profissional online e gratuitos para o público geral.

Atualmente, a plataforma conta com 10 cursos online que são: Aprendendo a Ensinar Online; Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação; Cuidador de Idoso; Serigrafia e Customizados; Tortas de Vitrine; Aproveitamento Integral dos Alimentos; Panificação; Sala de Aula Digital Interativa; Gestão Socioemocional frente às Crises e Inseguranças e Produção de Doces Tradicionais.

Segundo o secretário adjunto de Educação Integral e Profissional, André Bello, chegar à marca de 20 mil inscritos é motivo de grande alegria. “Iniciamos com os cursos logo que se instaurou a crise do coronavírus, momento em que tivemos a suspensão das aulas e muitas pessoas perderam totalmente sua fonte de renda”, afirma.

Ele relata que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) agiu rápido, por meio do IEMA, e criou a plataforma, com o objetivo de qualificar os professores para aulas remotas e também ajudar as pessoas a recuperarem sua renda.

A estudante Daiane Ferreira Mota é uma apaixonada pela gastronomia e viu na plataforma a oportunidade de realizar seu sonho. “Sempre tive vontade de me qualificar nessa área, mas nunca tive a oportunidade porque geralmente esses cursos custam caro. É uma grande oportunidade, gosto muito dessa área e estou me qualificando graças ao IEMA”, contou a aluna do curso de Panificação e Doces Tradicionais.

Atualmente, o IEMA conta com 17 unidades plenas e 19 unidades vocacionais, constituindo um total de 36 unidades. Ainda este ano está prevista a entrega do prédio novo da UP de Coroatá. Estão em obras as unidades de Chapadinha, Colinas, São Mateus, Dom Pedro, Coelho Neto, Carutapera, Tutóia, Vitória do Mearim, Santa Luzia do Tide, Amarante, Santa Luzia do Paruá e Tuntum.

Fonte: Seduc
Fotos: Divulgação
24/07/2020