Iema de Ribeirãozinho registra grande procura por curso de artefatos de couro

13 de julho de 2017

Uma novidade na cidade, o curso de artefatos de couro tem chamado a atenção das pessoas. Alunos e ex-alunos do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema), unidade vocacional de Riberãozinho, das turmas do curso de artefatos de couro, manifestam satisfação e alegria pela oportunidade oferecida pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

De acordo com o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada, o objetivo dos cursos oferecidos no Iema vocacional é promover a formação profissional. “Queremos atender às demandas existentes de formação profissional local, tendo em vista a inserção produtiva na perspectiva de melhorar os indicadores econômicos e sociais do estado. Neste processo, contribuir para o acesso de jovens e adultos ao mercado de trabalho com a educação profissionalizante, proporcionando oportunidades à população.”

A gestora geral da unidade, Luciana Oliveira, revela que já é a terceira turma a ser organizada e que, devido à grande procura, há um cadastro reserva para as futuras turmas. “Como houve uma promessa de implantação de uma fábrica de produtos de couro na região, jovens e adultos buscaram uma oportunidade de se qualificar com a expectativa de ocupar um lugar no mercado de trabalho”, explica.

Luciana falou ainda que o curso oferecido pela Secti por meio do Iema é de grande importância, pois havendo oportunidade os que participaram do curso estrão aptos para trabalhar na área, sem esquecer de que a iniciativa fomenta a economia do município. Inclusive alguns alunos e ex-alunos já estão produzindo peças e, com a venda, gerando renda extra.

Patrícia Ribeiro, 26 anos, que uma das alunas da primeira turma, afirmou que a realização do curso na região foi uma grande oportunidade que valorizou a juventude, que era sempre esquecida. “Foi uma grande oportunidade de aprendizado, tanto teórica como prática. Decidi fazer o curso por ter um grande interesse de conhecer o processo de criação, desde tirar os moldes até a finalização, e os professores conseguiram nos ensinar tudo com bastante precisão e atenção”, comentou.

O jovem Breno Silva Torres, 27 anos, contou que resolveu participar do curso para aperfeiçoar a experiência que já tinha na área de costura e obter a certificação. “Estou satisfeitos com tudo que já aprendi, os professores são excelentes. Aprendemos fazer muitas peças, só de bolsas de mão foram três modelos diferentes. O Iema está de parabéns por trazer cursos profissionalizantes como este, pois ajuda a movimentar a renda do município, capacitando mão de obra local”, concluiu.