Professora do Iema participa de seminário promovido pela Ufma

8 de novembro de 2018

A universidade federal do Maranhão (Ufma) está realizando o II Seminário de Institutos e Escolas de Aplicação Regional Nordeste Amazônia Legal e Centro Oeste (Sicea). O seminário, que é destinado a apresentações de trabalhos acadêmicos, se estenderá até o dia 9 aqui em São Luís e posteriormente terá mais duas edições, sendo uma em Roraima e outra em Goiânia.

A professora da base técnica de serviços jurídicos Jéssica de Oliveira Rodrigues, da unidade plena do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) do município de Cururupu, submeteu o trabalho intitulado ‘Educação um direito de todos; Direito fundamental e Humano, onde busca a qualidade para todos, diga não ao bullying escolar” foi aprovado para apresentação no seminário, tendo como público-alvo professores, pesquisadores dos estados do Centro-Oeste, Amazônia legal e Nordeste presentes no evento.

Em depoimento, a professora Jéssica de Oliveira explicou como se deu o processo de submissão do trabalho e os critérios a serem atendidos. “O processo para submissão do trabalho precisou atender a cinco eixos temáticos, eu escolhi o quinto que envolvia a temática sobre direitos humanos, justiça e violência escolar. Escrevi um resumo estendido, atendendo critérios previamente expostos no edital”, explicou.

Ainda em depoimento, a professora disse que foi convidada pela professora doutora do departamento de Sociologia e Antropologia da Ufma Elis Márcia dos Anjos para palestrar para o corpo docente da universidade acerca do tema. “Além de todas as nuances que são de praxe no tocante ao tema, fiz uma abordagem sobre o empoderamento e sobre lutar em prol do combate à diminuição da violência em nossa sociedade. Ao falar da educação como direito de todos, falei do artigo 205 da Constituição Federal da LDB, dando ênfase ao Iema”, explicou.

Jéssica de Oliveira concluiu a apresentação de seu trabalho explanando a temática do bullying escolar, que, segundo ela, é um problema que tem se agravado cada vez mais, levando a vários desdobramentos, sejam esses mais passíveis de solução por meio da conscientização, até os mais extremos, podendo chegar à ocorrência de homicídio e suicídios.

“O real interesse é o conhecimento e a conscientização dessa violência escolar. Percebo que tanto o corpo discente quanto o docente estiveram participativos e atentos aos problemas evidenciados ao longo da explanação. Na unidade do Iema não tem sido diferente. Os alunos, em especial os do curso técnico de serviços jurídicos, estão bem interessados nos debates e discussões, além de proposições para enfrentamento do problema. Ficou acertado junto à coordenação, que faremos a apresentação do trabalho para toda a comunidade escolar da unidade, o que, com certeza, vai gerar mais conhecimento e mais envolvimento de toda a unidade acerca da temática em questão”, concluiu.