Semana é marcada por início de cursos de Formação Inicial Continuada (FICs) nas unidades vocacionais do Iema

10 de fevereiro de 2017

WhatsApp Image 2017-02-09 at 20.03.56Qualificação para a população em diferentes áreas, esse é o objetivo dos cursos de Formação Inicial Continuada (FICs) do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema). Nesta semana, vários cursos foram iniciados nas unidades vocacionais do Instituto. As aulas foram iniciadas em municípios como Amarante, Açailândia, Imperatriz e Ribeirãozinho.

De acordo com o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada, o objetivo é promover a formação profissional. “Queremos atender às demandas existentes de formação profissional local, tendo em vista a inserção produtiva na perspectiva de melhorar os indicadores econômicos e sociais do estado. Neste processo, contribuir para o acesso de jovens e adultos ao mercado de trabalho com a educação profissionalizante, proporcionando oportunidades à população.”

A aula inaugural dos cursos inglês básico, desenvolvedor de aplicativos para dispositivo móvel e produção agroecológica integrada e sustentável foi na terça-feira (7), na unidade vocacional do Iema de Imperatriz.

O destaque é para o curso de produção agroecológica integrada e sustentável que foi indicado pelos estudantes após participarem de duas oficinas ligadas à temática: uma sobre viveirista de plantas ornamentais e florestais; a outra sobre horticultor agroecológico. As duas oficinas tiveram duração de 40 horas, surgindo o curso FIC de 160 horas.

O estudante Lindon Johnson Ferreira participou das duas oficinas e agora está matriculado no curso. Segundo ele, é uma oportunidade de se qualificar mais em uma área que gosta e tem oferta de trabalho para a região. O curso visa ensinar aos estudantes técnicas de produção de maneira sustentável.

“Moramos em uma região que tem bastante produção de hortifrutigranjeiros, estamos situados no polo regional, o que traz investimentos neste setor. Nas oficinas aprendi como fazer o plantio de mudas de forma correta, como evitar doenças. A ideia é produzir sem agredir, de forma sustentável e voltada para a comercialização. Gostei do que aprendi em sala de aula, agora é me aprofundar mais e me preparar para o mercado de trabalho”, destacou o estudante.

De acordo com o secretário adjunto de Educação Profissional, Tecnológica e Inclusão Social, André Bello, o curso de produção agroecológica integrada e sustentável trabalha com a agricultura familiar e vai ajudar na produção de pequenos agricultores, que aprenderão as técnicas utilizadas no curso.

“Sabemos do alto índice de câncer que cresce na população e uma das causas, segundo os pesquisadores, é o consumo de alimentos com agrotóxico. Este curso faz o oposto, vai ensinar técnicas de como produzir de forma saudável os alimentos. Além de trazer uma conscientização para os alunos sobre alimentação, vai ajudar os produtores a aumentar sua produção, mas de forma sustentável.”

Em Ribeirãozinho a aula inaugural foi no dia 8 de fevereiro com os cursos artefato em couro e inglês básico. Mais de 100 alunos estão matriculados em três turmas, os cursos têm duração de três a quatro meses. Em Amarante, também foram iniciados os cursos inglês básico, inglês intermediário e agricultura orgânica. Em Açailândia, a aula inaugural foi dia 7 de fevereiro com os cursos inglês intermediário, agente de desenvolvimento socioambiental e inglês básico.