Tábata Amaral participa da 3° Edição do #FalaIema na UP de Timon

12 de novembro de 2017

 

FOTO RIC_AUDIÊNCIA PINDARE_0314Na manhã da quinta-feira (9), jovens do Iema – Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão -, da unidade plena de Timon, reuniram-se para a terceira edição do #FalaIema. Do movimento Acredito, Tábata Amaral de Pontes, além das experiências acadêmicas e profissionais, trouxe na bagagem sua história de superação e dedicação para com os estudos. A palestra aconteceu no auditório Jackson Lago, situado nas dependências da unidade.

A cientista política vem da Vila Missionária, bairro periférico da cidade de São Paulo, fato este que não a impediu de galgar maiores conquistas em sua vida acadêmica. Aos 23 anos de idade, a jovem já é formada em astrofísica e, como curso secundário, ciências políticas pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Tábata compartilhou com os discentes da unidade como se deu o seu interesse e engajamento pelas áreas de exatas e humanas. “O meu interesse para com a matemática e a educação de maneira geral se deu na quinta série, ao participar da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – Obmep, ganhando medalha de prata. Descobri que estudar vale muito a pena e que por meio da educação poderia tornar meus sonhos realidade”, comentou.

O reitor do Instituto, Jhonatan Almada, explicou acerca da ideia central do #FalaIema e da escolha da Tábata Amaral para esta edição “O #FalaIema se trata de um evento que criamos este ano no intuito de trazer personalidades de todo o país que nos ajudem a discutir temas relevantes para os nossos professores e estudantes, além de trazer mais esclarecimentos acerca da relevante missão de democratizar o acesso à educação profissional e tecnológica. Nesse sentido, a Tábata Amaral foi convidada a participar trazendo uma mensagem de estímulo e esperança para todos os nossos estudantes”, declarou.

Tábata Amaral é fundadora do ‘Mapa Educação’ e, na oportunidade em Timon, explicou aos alunos e demais presentes como se deu o processo de criação e sua atuação. “O Mapa Educação é um movimento social. Nosso sonho, nosso objetivo, é uma educação de qualidade para todos e acredito que isto acontecerá quando o jovem se tornar o maior protagonista nesse processo. O movimento busca mobilizar jovens do país inteiro, a fim de atuar na fiscalização de políticas públicas, montando campanhas com observatórios durante as eleições e com seu término, além do fomento do debate educacional criando uma ponte de diálogo entre esses jovens e o governo”, explicou.

O pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Extensão, Dario Soares, comentou acerca da participação da jovem e da honra de recebê-la nas dependias do Instituto. “Essa prática da reitoria do Iema busca fazer com que pessoas de várias áreas do conhecimento, profissionais de relevância, sobretudo, no que diz respeito à área do conhecimento, possam trazer mensagens de incentivo para nossos estudantes protagonistas. Estamos nos sentindo honrados enquanto instituto por receber a Tábata Amaral. Uma jovem que trilhou e tem trilhado de maneira engajada os caminhos da educação, nas áreas da matemática e ciências políticas. Uma participante assídua da Obmep, sagrando-se campeã desta olimpíada. Acredito que é um momento impar para nossos alunos, já que a trajetória desta aluna mostra de maneira muito clara que é possível alcançar lugares de destaque e reconhecimento por meio da educação”, afirmou.

A palestrante comentou ainda sobre as desigualdades no país e o quanto esta ainda é um problema que tem afetado milhões de jovens. “Quando sai do meu bairro e fui estudar na escola na qual ganhei a bolsa, eu vi outra realidade. Percebi a parti dali que, assim como eu, milhões de jovens que têm o sonho de fazer faculdade e que se encontram na mesma realidade em que eu estava naquele momento se encontravam bem distantes. Quando eu descobri que o sonho das pessoas tem CEP, gênero e raça, eu fiquei extremamente triste. Contudo, não é por este aspecto que você tem se acomodar. É possível sair das estatísticas de alguns desleixos estruturais da atual educação por meio do esforço e da dedicação”, afirmou.

Com o término da palestra, alunos, professores, coordenadores e gestores da unidade endereçaram perguntas à jovem. As temáticas iam desde os passos iniciais de Tábata Amaral na área acadêmica até sua conquista da graduação em Harvard. O aluno do curso de informática biomédica Cícero Henrique, por exemplo, comentou da satisfação em receber a jovem cientista na unidade. “Hoje foi uma manhã muito inspiradora. O estudante muita das vezes pensa, mas não se move para buscar seus sonhos. Ver e conhecer bem de perto a história da Tábata é de extrema valia, uma vez que ela é uma prova de que realmente é possível ser o que se quiser por meio da educação. O Iema é um Instituto motivador por si só e trazer a Tábata Amaral para palestrar hoje aqui, foi uma dose a mais”, disse o jovem.

Para o professor de português e atualmente gestor pedagógico Jeferson Probo, ouvir o testemunho da jovem protagonista foi um presente, não somente para os profissionais da unidade, mas também e em especial para o corpo discente. “Ouvir a Tábata falar é antes de mais nada inspirador. A história de vida dela, o esforço, tudo o que ela fez até o presente momento possibilitou a ela galgar, construir e realizar o projeto de vida dela. Para nossos alunos, essa palestra, seguida da roda de conversas, foi de muita valia para a compreensão de como a educação é importante na vida e na luta pela transformação da justiça e igualdade social. Agradecemos ao reitor Jhonatan Almada, as pró-reitorias por oportunizar através do #FalaIema esses momentos de reflexões educacionais que sempre acrescentam na vida dos nossos alunos e por conseqüência na educação do estado do Maranhão”, concluiu.