Torneio Juvenil de Robótica; Estudantes destacam união entre membros de equipe

26 de setembro de 2019

WhatsApp Image 2019-09-26 at 19.49.30Geralmente compostas por quatro pessoas – programador, montador, repositor e executor -, equipes de robótica têm em comum a união entre seus membros. Conhecer um ao outro, falar a ‘mesma língua’ e interagir entre si podem fazer a diferença na hora de uma prova. A relação entre programador e montador, por exemplo, é tão estreita que pode extrapolar a sala de aula.

Valdemar Gonçalves (16 anos), do segundo ano do curso técnico em informática para internet da unidade plena do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) de Santa Inês, afirma que esse relacionamento muitas vezes se estende para outros projetos. “Não é apenas nesse período dos torneios que programador e montador andam juntos”, comenta o estudante ao revelar que na UP têm um projeto de horta orgânica em que usam a tecnologia do arduino e também por isso precisam estar bem próximos. “É uma relação de dependência entre o programador e montador.”

Nas equipes de robótica, o programador é o responsável por iniciar o movimento do robô, ou seja, pela lógica do movimento do equipamento. “O programador exerce papel essencial na equipe. É ele quem faz toda a lógica da programação. É o cérebro da equipe. É quem faz dar certo o que o montador pensou”, firma Safira Sena, da UP Timon, que é a programadora da equipe.

Quem também desempenha papel fundamental na equipe de robótica é o montador. Como o próprio nome diz, ele é quem monta, dá forma ao robô. Os estudantes defendem que entre programador e monitor deve haver uma comunicação clara e objetiva, visto que trabalham junto. Vitor Emanuel – curso técnico em meio ambiente – é montador. O estudante diz que deve haver muita sintonia entre eles, e enfatiza que o grande desafio entre eles é a comunicação. “A má comunicação pode gerar desentendimento e acabar repercutindo tanto na programação quanto na montagem.”

Ana Vitória Alves Cunha, que estuda na Escola Municipal Remyr Archer, faz um pouco de tudo. Ela programa e monta. “Programador e montador devem estar em comunhão, porque caso contrário algo vai dar errado.”

Uma novidade nas equipes é a executora. Graziela Morais, do Centro de Educação Científica do Iema (CEC Iema Caxias), é a executora da equipe de robótica. Ela considera a função que exerce na equipe de grande importância, porque todos que foram escolhidos têm um propósito. “É uma honra ser executora, é incrível, e estou feliz por estar aqui. Mesmo que a equipe não consiga se classificar para a nacional, estar aqui, viver essa experiência, já é lindo demais.”

Coordenador da Robótica Educacional do Iema, Fábio Aurélio enfatiza o papel dos membros de uma equipe de robótica e pontua a importância da união entre todos. “São alunos considerados o cérebro da equipe, que trabalham a parte da lógica, com atuadores e sensores. Eles fazem as provas acontecerem.”

PROVAS TJR

Dez equipes de unidades plenas e duas de unidades vocacionais do Iema participam desta edição estadual que acontece em Codó. Neste segundo dia de torneio, o público vibrou com provas como Viagem ao Centro da Terra e Resgate de Alto Nível. No início da manhã, foi realizada a prova Viagem ao Centro da Terra, níveis 2 e 3. No Nível 2, a grande vencedora foi a equipe do Clubinho de Robótica de Codó. Em segundo ficou a equipe do Centro de Educação Científica (CEC Caxias), seguida do Colégio Militar de São Luís.

O Nível 3 – Viagem ao Centro da Terra – foi marcado pela vitória da equipe do Iema Pindaré-Mirim. A equipe do Iema Brejo conquistou o segundo lugar. Mesmo participando pela primeira vez, a unidade plena do Iema de Santa Inês ficou em terceiro lugar.

À tarde foram realizadas novas provas. A primeira foi Resgate de Alto Nível. No Nível 2, a vencedora foi a Escola São João Batista, de Santa Inês. Nessa mesma prova, no Nível 3, o Iema Pindaré foi o grande campeão. O Iema Ribamar ficou em segundo, e o Iema Bacabeira em terceiro.

Última prova do dia, Resgate no Plano classificou mais seis equipes para a etapa nacional do Torneio Juvenil de Robótica. No Nível 2, a equipe estreante São Mateus conquistou o primeiro lugar. A equipe Codó 1 ficou em segundo, e o CEC Caxias vibrou com o terceiro.

O campeão do Resgate no Plano – Nível 3 – é a equipe do Iema Pindaré, seguida do Iema Itaqui Bacanga. O Iema Axixá ficou em terceiro lugar.