Unidade plena de Axixá se destaca no ensino de foguetes

8 de maio de 2019

Axixa (21)“A importância de estudar tendo como fundamentação o foguete para nós é de grande importância, pois podemos exercitar o conhecimento que adquirimos em sala de aula. Na base do foguete para que a reação aconteça temos que fazer o uso do vinagre com bicarbonato de sódio e ter uma noção da quantidade, além de elaborar os cálculos exatos para que tudo ocorra da maneira esperada. Nós colocamos em prática tudo o que aprendemos na teoria para melhorar o desempenho do foguete e melhor aprendizagem sobre os conteúdos”, destacou o estudante Pedro Eduardo Soares, do curso técnico em informática, da unidade plena de Axixá do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema).

Pedro é líder da equipe “Space Boy”, que também é composta pelos estudantes Paulo Victor Soares, do curso técnico em guia de turismo, e Lucas Gabriel Miranda, do curso técnico em informática. O grupo foi campeão na categoria Nível IV com um lançamento de 165 metros, durante a II Mostra de Foguetes da unidade plena de Axixá e a I Olimpíada Axixaense de Foguetes que aconteceu no último final de semana em uma área da zona rural no município de Morros. Além dessa competição, a equipe já é figura carimbada no pódio de foguetes pelo Brasil. “Tudo começou com o professor Walter Castro, que nos trouxe a ideia e nos incentivou, com isso acabamos tomando gosto e constatamos que de fato era muito prazeroso confeccionar os foguetes e exercitar o conhecimento que aprendemos em sala de aula. Estamos há dois anos nessa missão e cada vez evoluindo mais”, explicou o estudante Pedro Eduardo.

Para o professor de foguetes da unidade plena de Axixá Walter Castro, as olimpíadas do conhecimento melhoram o rendimento acadêmico do aluno. “O jovem consegue aprender aquilo que vê em sala de aula, como segunda lei de Newton, as questões de química e clima de outra forma, construindo as bases, os foguetes e fazendo os lançamentos. É uma outra estratégia de ensino e aprendizado que vem dando certo, nossos alunos medalhistas em olimpíadas têm os melhores resultados também em provas externas e nas avaliações da nossa instituição. É comprovada a melhoria que tem para o aprendizado do aluno. Essa prática é apenas uma nova forma de se ensinar”, disse.

O professor ressaltou ainda a trajetória da unidade no mundo dos foguetes. “Inicialmente aprendemos a fazer a base e o foguete, e começamos a construir os foguetes. Os alunos se interessam bastante e hoje em nossa unidade temos 35 equipes lançando foguetes. Começamos em março de 2017 com a participação na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica e pelo nosso bom desempenho fomos convidados para participar da Jornada Espacial no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA). Participamos de formações relacionadas a satélites, foguetes e também ao que se refere ao Programa Espacial Brasileiro. Em 2018 participamos da Mostra Brasileira de Foguetes no Rio de Janeiro em Barra do Piraí, onde fomos campeões brasileiros”, ressaltou.

Outra significativa conquista para a unidade foi a participação na 15ª Jornada Espacial em São José dos Campos, onde o professor Walter Castro, na companhia do estudante Samuel Amaral, passou uma semana no Centro Tecnológico da Aeronáutica conhecendo e estudando foguetes. Em seguida saíram como campeões brasileiros na 15ª Jornada de Foguetes, em Barra do Piraí, no Rio de Janeiro em 2018. “No nosso último evento tivemos mais de oito alunos que estão nos índices de aprovação para ir para a Jornada de Foguetes, e estamos trabalhando para bater o recorde brasileiro na Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) 2019”, concluiu o professor Walter.