Unidades vocacionais do IEMA estão formando maranhenses empreendedores

8 de janeiro de 2020

Imagnsarquivo (1)Preparar e qualificar os cidadãos maranhenses através de uma formação profissional para que possam aprimorar suas habilidades e executar funções específicas demandadas pelo mercado de trabalho é o objetivo do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) através dos cursos vocacionais.

O IEMA chega ao seu quinto ano de atuação com mais de 35 mil jovens e adultos qualificados nos cursos de Formação Inicial e Continuada (FICs) ofertados nas unidades vocacionais de Açailândia, Barra do Corda, Bequimão, Carolina, Caxias, Codó, Imperatriz, Pedreiras, Ribeirãozinho e São Luís – Escola de Cinema, Estaleiro Escola, Praia Grande. Os cursos também são ofertados em municípios parceiros e comunidades da capital maranhense através do programa “Iema nas Comunidades”.

De acordo com o reitor do IEMA, Jhonatan Almada, as unidades vocacionais levam mais geração de trabalho, emprego e renda para as pessoas que mais precisam. Temos atuado na oferta de educação profissional por meio das unidades vocacionais desde 2016, e alcançamos agora mais de 35 mil maranhenses qualificados em mais de 100 municípios do Maranhão. É a contribuição do Governo do Maranhão para aquecer a economia local com pessoas que tenham capacidade técnica de empreender, ajudar o nosso estado e regiões a se desenvolverem”, destacou.

Um dos resultados exitosos é o caso do jovem João Rocha, do município de São Mateus, que mora no povoado Timbaúba, em São Mateus. Através dos conhecimentos adquiridos no curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) em agricultura orgânica iniciou o cultivo de sua plantação de hortaliças.

O estudante recebeu a visita do gestor da unidade vocacional, Francisco Barata, que destacou que os cursos geram impactos positivos para o município de São Mateus. “O monitoramento pós curso é um marco que visa incentivar e acompanhar a evolução dos nossos egressos. Esse monitoramento serve também para ver, de fato, se o aluno está colocando em prática os conhecimentos alcançados no curso. Isso nos motiva a melhorar a qualidade do ensino e constatar que a educação profissional aliada ao fomento agrícola contribui para o desenvolvimento local”, contou o coordenador acrescentando que, em contrapartida, a unidade disponibiliza um professor para ministrar aula prática na propriedade do aluno. “Utilizamos essa metodologia para incentivar e motivar os alunos a desenvolverem um trabalho de excelência”, acrescentou.

Assim como João, existem outros exemplos exitosos de pessoas que estão empreendendo e garantindo renda por meio das formações recebidas no Instituto. Em Timon, ex-alunas do curso de corte e costura da unidade vocacional, além da inserção no mercado de trabalho mediante a qualificação profissional oferecida pelo Instituto, também fundaram uma cooperativa para alinhar parcerias com empresas privadas e o município.
A presidente da Associação dos Moradores do Parque Alvorada em Timon, Maria da Luz, contou que o IEMA abriu novas perspectivas para a comunidade carente. “Tudo começou através dos cursos do Instituto, que em parceria com a Associação dos Moradores iniciou com três turmas de corte e costura, cada uma com cerca de 35 alunas. Hoje algumas delas já estão no mercado de trabalho e outras gerando sua própria renda”, destacou.

Segundo Maria da Luz, a cooperativa será um outro viés para auxiliar as costureiras a realizarem seus projetos de vida. “Nos reunimos e tivemos a ideia de montar a cooperativa das costureiras do Parque Alvorada. Na Associação dos Moradores temos parceria com as empresas da cidade, estamos capacitando os alunos e estão entrando no mercado de trabalho. Percebo que eles são muito gratos e felizes, pois são pessoas que necessitam e estão se inserindo no mercado de trabalho. Temos muita gratidão ao IEMA”, contou.

Em 2020 serão inauguradas as unidades vocacionais de São Mateus, Loreto, Palmeirândia e São Luís (Rio Anil).